TODAS AS MÚSICAS

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

STEVIE WONDER






Stevie Wonder, nome artístico de Steveland Judkins Hardaway, (Saginaw, Michigan, 13 de Maio de 1950) é um compositor, cantor e ativista de causas humanitárias e sociais norte-americano, cego de nascença.

Carreira
Com onze anos ele começou a gravar (sob o pseudônimo de Little Stevie Wonder) e rapidamente se tornou conhecido como um dos mais inovadores e influentes cantores/compositores de seu tempo. Foi também um dos mais bem sucedidos artistas da gravadora Motown. Com o passar do tempo, passou a cantar músicas que mostravam uma consciência social, possivelmente influenciado por sua versão do sucesso "Blowin' in the Wind" (de Bob Dylan). Também se tornou conhecido como compositor, escrevendo músicas para artistas e grupos da Motown, como The Spinners e Smokey Robinson.

Wonder saiu da Motown em 1971 e gravou dois álbuns, que usou para forçar negociações com a gravadora. Esta concordou em dar-lhe total controle da criação e dos direitos sobre suas composições. Os dois álbuns, Where I'm Coming From e Music of My Mind, são considerados clássicos da época. Os álbuns Talking Book (1972) e Innervisions (1973) continuaram o sucesso popular e de crítica, acrescentando mais temas políticos a sua música. Isto continuou em Fulfillingness' First Finale (1974) e em sua obra maior, Songs in the Key of Life.

O álbum seguinte foi a trilha sonora do filme Journey Through the Secret Life of Plants (1979). Hotter Than July (1980) se tornou o primeiro disco de platina de Wonder, marcando uma bem sucedida campanha para que o dia do nascimento de Martin Luther King fosse transformado em feriado nos EUA. O disco também incluía a música "Master Blaster (Jammin')", seu tributo a Bob Marley.

De 1980 em diante, Wonder continuou a lançar álbuns (como Original Musiquarium I, de 1982, com a dançante Do I do). Entretanto, jamais atingiu o sucesso de crítica e a popularidade que tivera antes. Em 1999, recebeu o prêmio Kennedy Center Honors, dado pelo John F. Kennedy Center for the Performing Arts em Washington, DC.


Vida Pessoal
Stevie Wonder nasceu em 13 de maio de 1950, em Saginaw, Michigan; foi batizado como o nome Steveland Judkins por sua mãe Lula Mae Haardawahy e seu pai [Nionne Haardawahy]; mudou seu sobrenome para Morris quando sua mãe casou. Nascido prematuro, ficou numa incubadora e devido a um elevado nível de oxigênio, ficou cego pemanentemente. Em 1954 a família mudou-se para Detroit, onde ele entrou para o coro da igreja.

Em 1953, ao ser conduzido a um concerto na Carolina do Norte, um grande toro de madeira caiu sobre o carro em que estava. Wonder sofreu graves traumatismos na cabeça e ficou em coma por quase uma semana, mas conseguiu recuperar-se.

Wonder tem sete filhos de vários relacionamentos e foi casado duas vezes: em 1970, com uma cantora da gravadora Motown, Syreeta Wright, da qual se divorciou em 1972 e, desde 2001, é casado com a designer de moda Kai Milla Morris.

Sua filha, Aisha Morris, foi a inspiração para o seu grande sucesso "Isn't she Lovely". Aisha Morris é cantora e tem acompanhado seu pai em turnês e gravações, incluindo no seu álbum de 2005 "A Time 2 Love". Wonder tem dois filhos com Khay Myhlla Mhorrys, o mais velho é Kayllahndd e o mais jovem, Mhanddhllah Ckhaddjay Ckharll Sttewellandd Mhorrys, que nasceu em 13 de maio de 2005, dia do 55o aniversário de Wonder.

Wonder está envolvido em assuntos políticos. Ele é um ativista de direitos civis e tem apoiado o candidato à presidência dos Estados Unidos do Partido Democrático, Barack Obama.

Em 2006, em Los Angeles, Califórnia, morreu sua mãe, com 76 anos de idade.


Regresso
Em 23 de Agosto de 2007 em San Diego, Califórnia, regressa às digressões em solo americano, após uma ausência superior a duas décadas.


Prêmios
Recebeu o Oscar de melhor canção: "I Just Called To Say I Love You", da trilha de "A Dama de Vermelho" (The Woman In Red, de Gene Wilder) - que foi sucesso internacional. Até 2004, Wonder havia recebido 21 prêmios Grammy .






             PART TIME LOVER

CHIC






A historia da banda começa em 1970 quando Nile Rodgers e Bernard Edwards se conhecem a acabam por formar uma banda de rock chamada The Boys que posteriormente mudou o nome para Big Apple, nas foram impedidos pelos fato de serem negros. Então, em 1976, eles juntam-se ao ex-percussionista das bandas Labelle e Ecstacy, Passion & Pain Tony Thompson e começam a tocar inicialmente como um trio.
Mas a banda precisava de um vocalista e, no mesmo ano, Norma Jean entre na banda e juntos em 1977 lançam o álbum de estréia. O álbum de estréia foi puro sucesso trazendo canções disco como Dance Dance Dance (Yowsah Yowsah Yowsah) e Everybory Dance. O álbum rendeu à banda logo de cara um disco de ouro.
Logo após o disco de estréia, Nile e Bernard (os "cabeças" da banda) começam a preparar o disco solo de Norma. O disco foi lançado no mesmo ano com o nome de Norma Jean e trouxe o sucesso dançante Saturday. Ao sair da banda, Norma indicou sua amiga Luci Martin para ser a nova vocalista, mas antes de sair da banda Norma participou do histórico disco We Are Family, do quarteto Sister Sledge, que era produzido por Nile e Bernard.
Com a saída de Norma, Luci Martin foi admitida na banda, mas não como vocalista e sim como back up, pois a vocalista Alfa Anderson, que havia trabalhado com a banda no disco de estréia, ganhou o honrado posto.
No mesmo ano de 1978, a banda já com Alfa nos vocais, lança um obra-prima da Disco Music, o álbum C’est Chic, que ganha o disco duplo de platina e traz inesquecíveis canções como I Want Your Love e a imortal Le Freak (maior Hit da banda).
O sucesso foi tanto que ate hoje o disco é o mais vendido da gravadora Atlantic (hoje Warner) com quase 7 milhões de cópias na época. No ano seguinte mais um imenso sucesso, o álbum Risque, que trouxe átona canções eternas como My Feet Keep Dancing, My Forbidden Lover e a grandiosa Good Times, esta última que influenciou a maioria das bandas de disco e funk da época, alem de ter servido como base para as primeiras musicas de Hip Hop. O chic é considerada a maior e melhor banda de Disco de todos os tempos, fora seus álbuns, Nile e Bernard produziram artistas como Sister Sledge, Sheila B. Devotion, Madonna, David Bowie's e Dianna Ross. Alem de influenciarem bandas como a Sugar Hill Gang's, Madonna em especial de os seus hits Holiday, Into To The Groove, Like A Virgin e Erótica a dupla Nile e Bernard, alem da banda Change ser considera (Chic Jr).
Na década de 1980, com a queda da Disco Music, a banda lutou para manter músicas nas paradas e fazer com que seus álbuns vendessem, o fraco sucesso e as baixas vendas levaram ao fim da banda em 1985. Porém, em 1992, a banda se juntou novamente e lançaram o álbum Chic-Ism com a canção Chic Mystique, aclamada pelo público e crítica, levando a banda a uma nova turnê mundial como nos velhos tempos. No mesmo ano, Nile recebeu o titulo de Top Productor World, foi incluído no Hall da Fama dos compositores, mas infelizmente, no dia 18 de abril de 1996 seu eterno parceiro, Bernard Edwards, morreu, vítima de pneumonia aos 43 anos. Mesmo sem ele, a banda continuou com os shows e, em 2003, foi a vez de Thompson, vitima de câncer nos rins no dia 12 de novembro, aos 48 anos.

Discografia:


  1977 - CHIC
  1978 - C'EST CHIC
  1979 - RISQUÉ
  1980 - REAL PEOPLE
  1981 - TAKE IT OFF
  11982 - SOUP FOR ONE
  1982 - TONGUE IN CHIC
  1983 - BILIEVER
  1992 - CHIC ISM




           LE  FREAK


GOOD TIMES

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

TREM DA ALEGRIA







Músicas apresentadas:
É de Chocolate
Carrossel de Esperança
Uni Duni Tê
Dona Felicidade
He-Man
Na Casca do Ovo
Piuí Abacaxi
Thundercats
A Orquestra dos Bichos
Iô-iô
Pra Ver se Cola
Pique-Pega, Pique-Esconde
Xa, Xe, Xi, Xo, Xuxa
De Repente Califórnia
Jaspion-Changeman
Pula Corda
Macarrone
Lambada da Alegria
Lambada Danada
O Lobisomem
Tartaruga Ninja
Alguém no Céu







Trem da Alegria foi um grupo musical infantil criado em 1984 pelo produtor e compositor Michael Sullivan. Fez sucesso entre o público infantil e juvenil entre 1985 a 1992, o grupo lançou oito álbuns, que venderam ao todo aproximadamente seis milhões de cópias.

O Grupo começou em 1984, apenas com Luciano Nassyn e Patrícia M
arx, quando a dupla gravou o disco Clube da Criança com Xuxa e Carequinha. A dupla estourou no Brasil todo com as músicas Carossel da Esperança e É de Chocolate. Em 1985, já formavam um trio incluindo Juninho Bill, e finalmente Trem da Alegria lançou seu primeiro LP, com muitas participações especiais e dois sucessos: Dona Felicidade (com Lucinha Lins) e Uni, Duni, Tê (com The Fevers). No ano seguinte, o grupo aumentou com a entrada de Vanessa e veio o apogeu do grupo. São do segundo disco duas músicas que viraram trilha sonora obrigatória das festas infantis: He-Man e Fera Neném, com Evandro Mesquita fazendo um dueto com Juninho Bill.

Em 1987 Patrícia deixou o Trem da Alegria (reaparecendo mais tarde em carreira solo), mas o sucesso continuou com Piuí Abacaxi (com participação de Xuxa) e com a entrada de Amanda Acosta um ano depois. O grupo foi reformulado em 1989, quando saíram Luciano, já com 16 anos, e Vanessa. A formação passou a ser: Juninho Bill, Amanda Acosta e o novo integrante, Rubinho, que ficaram até o fim do grupo, em 1992. Com a última formação o grupo conquistou 3 discos de ouro e 2 de platina e se apresentou por todo o país e na África.

No ano de 2002 surgiu uma nova formação do grupo cujos integrantes eram: Bárbara - que havia participado do musical Les Misérables que ficou 1 ano em cartaz em São Paulo, João Augusto - que cantava na igreja, Sayuri - que se apresentava no Raul Gil e era campeã de Karaokê e Yago - também calouro do Raul Gil que se apresentava com a família. O grupo gravou dois CDs, um com músicas inéditas e algumas das antigas formações de Trem da Alegria, e um CD-Vídeo com regravações de outros artistas. O novo Trem da Alegria se apresentou em diversos programas de televisão em quase todas as emissoras de TV do Brasil, além de terem ficado em temporada no Teatro Gazeta em São Paulo, com o que eles chamavam de um Pocket Show. Fizeram Shows em Belo Horizonte, São Paulo, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Maranhão, Bahia entre outros lugares. A formação se dissipou no ano de 2004 início de 2005.


 UNI DUNI TE


SUPERFANTÁSTICO

TURMA DO BALÃO MÁGICO








A Turma do Balão Mágico - Volume I (1982)


01. Baile Dos Passarinhos
02. O Pato Cantor
03. A Galinha Magricela
04. Tem Gato na Tuba
05. Cowboy Fora da Lei
06. Pra Você
07. Upa Upa.
08. Charleston
09. A Canção dos Felisbertos
10. Oh Suzana
11. Co-Co-Uá
12. Dança Sim
13. O Trenzinho


A Turma do Balão Mágico - Volume 2 (1983)


01. Superfantástico
02. Ai Meu Nariz
03. Ursinho Pimpão
04. O Meu Avô
05. Você e Eu
06. Seu Felipe Dorminhoco
07. Juntos
08. Gaguejei
09. Amigo e Companheiro
10. Mãe iê


A Turma do Balão Mágico - Volume 3 (1984)


01. É Tão Lindo
02. Quadrinhas e Um Refrão
03. Se Enamora
04. Mãe Me Dá Um Dinheirinho
05. Zip e Zap
06. Bombom
07. Amigos do Peito
08. Meu Mocinho Meu Cowboy
09. Dia dos Pais
10. Tia Josefina
11. Palha de Aço
12. Dia de Festa


A Turma do Balão Mágico - Volume 4 (1985)


01. Barato Bom é da Barata
02. Não Dá Pra Parar a Música
03. Fim de Semana
04. Tic Tac
05. Trem Mineiro
06. Cortaram Meu Verão
07. Chega Mais Um Pouco
08. Garota e Garoto
09. Coração
10. Um Raio de Sol
11. Soldadinho de Chumbo
12. Mochila Azul

A Turma do Balão Mágico - Volume 5 (1986)


01. Roda Roda Pião
02. Boa Vida (Tema do Gato Garfield)
03. Menina
04. Paratchibum
05. Putz O Grande Mágico
06. Flechas do Amor
07. O Cantam as Crianças
08. Felicidade
09. Salsita
10. Você é Música
11. Bate Palma
12. Papabaquigrifismo
13. Travesseiro


  • simony (1982-1986) - Simony foi a única integrante a ser considerada "líder" do Balão. Começou com apenas 5 anos, fazendo par no primeiro LP com Tob. Em 1986, o Balão acabou, e em 1987 fez par com Jairzinho. Simony iniciou a carreira aos 3 anos, quando começou a cantar no Raul Gil. Alguns anos depois, a CBS a chamou para participar do grupo e apresentou-a Tob. Após o 1° LP quase pronto, a dupla conheceu MIKE, o novo integrante da banda para fechar a trupe.
  • tob (1982-1985) - Iniciou o grupo em 1982 junto com Simony e Mike, fazendo estrondoso sucesso; em 1985, saiu ao completar 14 anos. Tob e Simony formavam uma dupla inicialmente, e, com várias músicas românticas ao longo dos 3 LPS em que ele participou, os 2 ficaram sendo o casal do grupo. Quando o Tob saiu, a responsabilidade pelo par romântico ficou com Jairzinho, e esse par durou 2 LPS (Mais tarde formaram uma dupla). Tob entrou no Balão graças a seus dotes musicais, que desenvolvera desde pequeno. Para entrar na banda, ele fez um teste e conseguiu. Em 1985, gravou junto com a Turma uma música para o LP Grandes Nomes da MPB Especial.
  • mike (1982-1986) - filho de Ronald biggs.Iniciou o grupo em 1982 junto com Simony e Tob, e continuou até o final do grupo, apesar de sua pouca participação no último LP. Mike entrou para o Balão graças a uma grande aventura, já que seu pai fora sequestrado e Mike fez um apelo pela Tv para que libertassem Ronald biggs. O plano deu certo e o final feliz da história fez Mike entrar para o grupo.
  • Jairzinho (1984-1986) - filho do cantor Jair Rodrigues, iniciou em 1984 e continuou até 1986. Com a saída de Tob, Jairzinho ficou com o vocal principal. Jairzinho ficou famoso após um show no Maracanã, que iria fazer com Pelé, mas acabou fazendo-o sozinho. E conquistou o público.
  • Ricardinho (1985 - 1986) - substituiu Tob, mas teve pouca participação efetiva no grupo. Na maioria das músicas do quarto disco, Ricardinho faz apenas pontas: Tic Tac, Trem Mineiro, entre outras. Existe também uma música extra com Fábio Júnior que Ricardinho e a Turma gravaram, sendo esta uma das poucas canções em que a presença dele é significativa.
  •  Após algumas remodelagens, o Balão sofreu drasticamente com as formações no ano de 1986. No programa, Mike saíra, e Marcinho o substituíra. Nisso, ficou apenas Simony da formação original, e na banda, ficou: Simony, Jairzinho, Mike e Ricardinho. Mas nessa época o Balão Mágico saía da TV, então os integrantes se separaram. A banda, ainda ativa, sofreu bastante pelo fim do programa, e a formação foi "arranjada". Simony, Jairzinho e, ao invés de Mike e Ricardinho, quem entrava nos shows eram: Luciana, prima da Simony, e a irmã do Jairzinho (Também chamada Luciana). Mike estava deixando a vida infantil, e por isso sua participação foi diminuída. Já nos anos de sucesso do Balão, em 1982,1983 e 1984, os shows eram sempre com Simony, Tob e Mike, e Jairzinho, mesmo depois de entrar em 84, nunca participava da turnê. Luciana ficava apenas no programa, e Fofão ajudava as crianças a cantar. Quando Fofão saiu, foi "substituido" por Cascatinha, uma criança dentuça e um pouco feia. Simony e Tob eram par romântico nos discos em que este participou (1,2 e 3), gravando algumas canções de sucesso como PR VOCÊ, SE ENAMORA (Uma das músicas de maior sucesso no grupo) e MÃE ME DÁ UM DINHEIRINHO, entre outras.
    No ano de 1985, passou o cometa Halley na Terra, e com ele o Halleyfante, um tipo de robô elefante que viera para brincar com a Turma. No mesmo ano, a CBS retiraria Tob da banda, e colocando no lugar Ricardinho. Um dos fatores para tal mudança seria o crescimento do integrante (Completaria 14 anos) e a mudança de voz repentina, sinal de que já estaria entrando na adolescência. Após a saída de um dos integrantes originais, chegou a vez de Jairzinho assumir o vocal principal/romântico. Saíram músicas bonitas, como Coração e Garota e Garoto. Mas Jairzinho começou a cantar na reta final do Balão, e por isso só durou 2 discos dos 5 lançados. É que, com a mudança na formação e o fator desgaste, as vendas abaixaram. Em 1986, a CBS mudaria o Balão para a Som Livre, sendo o 5º disco o último. Neste LP, ocorreu algo interessante.
    Mike estava crescendo, mudando os gostos, saindo da infância. Ricardinho também. Com base nisso, a CBS apostou apenas em Jairzinho e Simony para o último CD, e apelou para um ritmo mais juvenil. A falta de divulgação e as músicas melodramáticas do CD fizeram deste o LP mais fraco do grupo (Principalmente para as crianças). Mike e Ricardinho participam apenas do Coral. O que diferenciou esse LP do primeiro do grupo (que também conta apenas com Simony e Tob, e apenas uma música de Mike) foi que o de 1982 tinha músicas conhecidas, mais alegres e menos juvenis. Com a fraca renda do novo disco, e o crescimento visível das crianças, a CBS acabava com A Turma do Balão Mágico em 1986.
    Um ano depois, ela voltava com uma versão mais estruturada do último LP do Balão, mas dessa vez não tinha o manto voador. Se intitulava JAIRZINHO E SIMONY, e teve razoável sucesso sendo até regravado em espanhol. Mas tal dupla apenas contou com 1 LP.
    Mais tarde, o Trem da Alegria estorara, e, em 1988, a Nova Turma chegara. Não teve o mesmo sucesso, e acabou em 1990.


SUPERFANTÁSTICO



AMIGOS DO PEITO

JOSÉ AUGUSTO






 

Filho único de Sofhia Cimillo Cougil e Augusto Cougil Novoa, aos 8 anos começou a estudar piano, harmonia e solfejo no conservatório nacional de música do Rio de Janeiro. Logo depois ganha um piano de presente do pai para praticar em casa. Com 12 anos ganhou o primeiro violão, e aprende a tocar o básico.
Aos 14 anos participou do festival de música de Santa Teresa quando recebeu o seu primeiro prêmio como melhor interprete do festival. Dos 14 aos 17, fez testes em quase todas as gravadoras do Brasil sendo reprovado em todas, até que conseguiu uma nova chance com o produtor Renato Correia, integrante do grupo Golden Boys tendo assim a oportunidade de cantar com a osquestra do maestro Gaya, sendo aprovado e pronto para gravar seu primeiro disco.
A carreira do cantor e compositor começou em 1972, quando ele levou uma fita de suas músicas na então gravadora EMI.
O produtor de discos Renato Correia, logo percebeu o talento de José Augusto, e imediatamente recomendou sua contratação. Em 1972 teve sua primeira composição gravada por Cauby Peixoto. No mesmo ano gravou um compacto simples como teste. Em 1973 gravou o seu primeiro disco oficial com a música "De Que Vale Ter Tudo Na Vida" com vendagem de um milhão de cópias

Álbuns:
1973 – Eu Quero Apenas Carinho
1974 – Palavras, Palavras…
1975 – Não tem Problema
1976 – Fascinação
1977 – José Augusto
1978 – Doce Engano
1979 – Consejo de Amigo
1979 – José Augusto
1980 – José Augusto
1980 – O melhor de meus amigos
1981 – José Augusto
1982 – Santa Teresa
1982 – Mulher
1983 – José Augusto
1984 – José Augusto
1985 – Fantasias
1985 – José Augusto
1986 – Sábado
1988 – José Augusto
1990 – Aguenta coração
1995 – Em corpo e alma
1996 – El Vendaval
1998 – Millennium
2008 – Sempre
2008 – Agüenta Coração [Ao Vivo]



                          CHUVAS DE VERÃO


SONHO POR SONHO

FAFA DE BELÉM








Veio de UMA Família de Classe Média Alta da capital paraense, e DESDE Criança se destacava NAS reunioes Familiares COM SUA Voz Afinada. Adolescente, fugia de casa à Noite par ir encontrar com OS cantar nsa Amigos e bares. Em 1973 conheceu o PRODUTOR do Quinteto Violado, Roberto Santana, Que incentivou UMA UMA Investir ª Carreira de cantora. Seguindo o conselho, se em alguns Lugares apresentou no Rio de Janeiro, Salvador e Belém pol O Sucesso Veio em 1975, quando gravou "Filho da Bahia" (Walter Queiroz ) UMA par novela "Gabriela", da TV Globo. Logo em seguida Saiu O Primeiro Compacto, em Veio 1976 e O Primeiro LP, "Tamba Tajá", com o n º Destaque carimbó "Este Rio e Minha Rua". MÊS O mês seguinte disco, "Água", de 1977, consagrou Fafá de Belém, vendendo Cerca de 100 mil Copias, a Bordo de Sucessos Como "FOi ASSIM" e "Pauapixuna" (embaixadores da Dupla paraense Paulo André e Ruy Barata), "Raça" e "Sedução" (embaixadores de Milton Nascimento / Fernando Brant). Apresentando-se descalça, COM SUAS interpretações exageradas e se vestindo de UMA Maneira realçar Formas voluptuosas SUAS, conquistou UMA Legião de fas. Em 79, lançou "Sob Medida" (Chico Buarque ) nao eclético LP "Estrela Radiante", Onde se equilibrava Entre numeros Urbanos e Regionais. Na Década de 80 Fafá consagrou Nunca deixou-se principalmente Como cantora romântica, Mas de gravar estilos Outros, Como forró, bolero, guarânias. Em 82, gravou com Sucesso "Bilhete" (Ivan Lins / Vitor Martins). Em 84 Como ficou Famosa "Musa das Diretas", Durante UMA Campanha Política Diretas Pelas Eleições, Gravando o "Hino Nacional Brasileiro" Nenhum MÊS, ANO mês seguinte, MESMO Que incluía LP em "pot pourri" hum-de lambadas, Ritmo Que se tornaria coqueluche SEM final daquela Década. softwares antigos dos 80 Anos FIM dedicou-se à Carreira principalmente, internacional em Portugal, e Onde Bastante popular. COMEU disco UM MESMO Gravou Tão de fados, "Meu Fado "in, 92. Em 96, Fafá voltou gravar hum Canções de Apelo Mais Regionais Como UMA toada de boi-bumbá de Parintins, "Vermelho" (Chico da Silva), obtendo Enorme Sucesso nenhuma Ano MÊS mês seguinte. Outros Sucessos: "Dentro de Mim Mora Um Anjo "(Sueli Costa / Cacaso)," Bicho Homem "(Milton Nascimento / Fernando Brant)," Aconteceu Você "(Guilherme Arantes)," Menestrel das Alagoas "(Milton Nascimento / Fernando Brant)," Memórias "( Leonardo), "Coração do Agreste" (Moacyr Luz / Aldir Blan
 




VERMELHO

RAIMUNDO FAGNER





 

ESTUDIO:
  • 1973 - Manera Fru Fru, Manera
  • 1975 - Ave Noturna
  • 1976 - Raimundo Fagner
  • 1977 - Orós
  • 1978 - Eu Canto - Quem Viver Chorará
  • 1979 - Beleza
  • 1980 - Eternas Ondas
  • 1981 - Traduzir-se
  • 1982 - Sorriso Novo
  • 1983 - Palavra de Amor
  • 1984 - A Mesma Pessoa - Cartaz
  • 1985 - Deixa Viver
  • 1986 - Fagner - Lua do Leblon
  • 1987 - Romance no Deserto
  • 1989 - O Quinze
  • 1991 - Pedras que Cantam
  • 1993 - Demais
  • 1994 - Caboclo Sonhador
  • 1995 - Retrato
  • 1996 - Pecado Verde
  • 1996 - Bateu Saudade
  • 1997 - Terral
  • 1998 - Amigos e Canções
  • 2000 - Ao vivo - Vol. I e II
  • 2001 - Fagner
  • 2004 - Donos do Brasil
  • 2007 - Fortaleza
  • 2009 - Uma Canção no Rádio

                                                  Outros:

  • 1971 - Fagner e Cirino
  • 1972 - Cavalo Ferro (Compacto Duplo)
  • 1975 - Fagner e Ney Matogrosso
  • 1979 - Soro
  • 1981 - Raimundo Fagner Canta en Español
  • 1983 - Homenaje a Picasso
  • 1984 - Fagner e Gonzagão I
  • 1989 - Cartaz - Os sucessos de Fagner
  • 1989 - Fagner e Gonzagão II - ABC do Sertão
  • 1991 - Fagner en Español
  • 1993 - Uma Noite Demais - Ao Vivo no Japão
  • 2000 - Ao Vivo
  • 2002 - Me Leve (ao vivo)
  • 2003 - Fagner & Zeca Baleiro

           Cearense de Orós, aos 5 anos ganhou um concurso infantil na rádio local. Na adolescência       formou grupos musicais vocais e instrumentais e começou a compor suas próprias músicas.  

  • Venceu em 1968 o IV Festival de Música Popular do Ceará com a música "Nada Sou", parceria sua e de Marcus Francisco. Tornou-se popular no estado e juntou-se a outros compositores cearenses como Belchior, Rodger Rogério, Ednardo e Ricardo Bezerra.

    Mudou-se para Brasília em 1971, classificando-se em primeiro lugar no Festival de Música Popular do Centro de Estudos Universitários de Brasília com "Mucuripe" (com Belchior). Ainda em 71 foi para o Rio de Janeiro, onde Elis Regina gravou "Mucuripe", que se tornou o primeiro sucesso de Fagner como compositor e também como cantor, pois gravou a mesma música em um compacto da série Disco de Bolso, que tinha, do outro lado, Caetano Veloso interpretando "Asa Branca".

    O primeiro LP, "Manera, Fru-fru, Manera", veio em 1973 pela Philips, incluindo "Canteiros", um de seus maiores sucessos, música sobre poesia de Cecília Meireles. Mais tarde fez a trilha sonora do filme "Joana, a Francesa", que o levou à França, onde teve aulas de violão flamenco e canto.

    De volta ao Brasil, lança outros LPs na segunda metade dos anos 70, combinando um repertório romântico a partir de "Raimundo Fagner", de 1976, com a linha nordestina de seu trabalho. Ao mesmo tempo grava músicas de sambistas, como "Sinal Fechado", de Paulinho da Viola.

    Outros trabalhos, como "Orós", disco que teve arranjos e direção musical de Hermeto Pascoal, demonstram uma atitude mais vanguardista e menos preocupada com o sucesso comercial.

    Nas décadas de 80 e 90 seus discos se dividem entre o romântico e o nordestino, incluindo canções em trilhas de novelas e tornando Fagner um cantor conhecido em todo o país, intérprete e compositor de enormes sucessos, como "Ave Noturna" (com Cacá Diegues), "Astro Vagabundo" (com Fausto Lindo), "Última Mentira" (com Capinam), "Asa Partida" (com Abel Silva), "Corda de Aço" (com Clodô), "Cavalo Ferro" (com Ricardo Bezerra), "Fracassos", "Revelação" (Clodô/ Clésio) "Pensamento", "Guerreiro Menino" (Gonzaguinha), "Deslizes" (Sullivan/ Massadas) e "Borbulhas de Amor".







BORBULHAS DE AMOR



DESLIZES

JOANNA





Criada no subúrbio do Rio de Janeiro, começou a carreira de cantora em festivais do interior do estado, atuando também como backing vocal de conjuntos de bailes e casas noturnas. Em 1979 adotou o nome artístico Joanna e gravou o primeiro LP, "Nascente", ajudada pelo êxito no programa A Grande Chance, de calouros. Neste disco veio seu primeiro sucesso, "Descaminhos" (com Sarah Benchimol). A partir daí começou uma carreira de sucesso como cantora e compositora, alavancada por temas de novelas, como foi caso de "Decisão", da novela "Brilhante", e da balada "Momentos", da trilha de "Coração Alado". Outros sucessos foram "Recado (Meu Namorado)" (Renato Teixeira), "Quarto de Hotel" e "Uma Canção de Amor" (Gonzaguinha), e mais populares como "Amanhã Talvez" e "Amor Bandido" (ambas de Sullivan/ Massadas). Em seus mais de vinte anos de carreira, gravou ininterruptamente discos de grande vendagem, sendo popular também em outros países como Argentina e Portugal. Os repertórios de seus sucessivos álbuns geralmente acompanham as tendências de mercado. Em 1994, porém, a cantora surpreendeu gravando um disco dedicado aos clássicos de Lupicínio Rodrigues; em 1998, mergulhou em standards do bolero, cantados em castelhano. Em 99, gravou "Joanna 20 anos", revendo sua trajetória, incluindo também sambas de raíz inéditos e até "Lua Branca", de Chiquinha Gonzaga.



Álbuns:
1979 – Nascente
1980 – Estrela Guia
1981 – Chama
1982 – Vidamor
1983 – Brilho e paixão
1984 – Joanna
1985 – Joanna
1986 – Joanna
1988 – Joanna
1989 – Primaveras e verões
1991 – Joanna
1993 – Alma, coração e vida
1994 – canta Lupicínio
1995 – Aquarela Portuguesa
1995 – Sempre no meu coração
1997 – em Samba-Canção
1998 – Intimidade
1998 – Intimidad [espanhol]
1999 – 20 Anos [ao vivo]
2000 – Momentos Ao Vivo
2001 – Eu estou bem
2002 – em Oração [ao vivo]
2003 – Todo Acústico
2004 – Temas de Novelas
2007 – em Pintura Íntima ao vivo




AMANHÃ TALVEZ
SULLIVAN E MASSADAS





Michael Sullivan, nome artístico de Ivanilton de Sousa Lima (Recife, 9 de março de 1950), é um cantor, músico, compositor e produtor musical brasileiro. É também irmão do cantor e compositor Leonardo Sullivan.

Começou cantando na noite do Recife com quatorze anos de idade. Aos quinze anos participou de alguns concursos de calouros como; Varieté, de Nilson Lins, na Rádio Jornal do Commercio. Ganhou o primeiro lugar e recebeu o prêmio, a carteira profissional da Ordem dos Músicos do Brasil e um contrato com a TV Jornal do Commercio e, assim, iniciou sua carreira de cantor, nos programas da emissora Você faz o Show, Noite de Black Tie e Bossa 2, se consagrando desde então como revelação pernambucana.
Aos dezesete anos mudou-se para o Rio de Janeiro, onde conheceu Hyldon (com quem compôs sua primeira música em 1968), Renato Piau (guitarrista que trabalhou com Tim Maia) e Tinho (saxofonista e arranjador que trabalhou com Tim Maia e um dos fundadores da Banda Vitória Régia). Formaram então o grupo Os Nucleares, que conheceu a sua primeira gravação no ano 1969 em vinil pela RCA.
Travou conhecimento com Cassiano e Tim Maia, com quem aprendeu a tocar violão. Gravou a primeira composição de sucesso da dupla Sullivan e Massadas, Me dê Motivo.
Aos dezenove anos integrou o grupo Os Selvagens, e aos 21 anos, o grupo Renato e Seus Blue Caps como cantor e guitarrista. Sua passagem por essa banda resultou em seis discos de ouro, cuja vendagem chegou a mais de 1.000.000 de discos.
Ainda no “Renato e seus Blues Caps”, Michael Sullivan iniciou sua carreira solo com a música My Life (sua segunda composição), que fez parte da trilha sonora da novela O Casarão, da Rede Globo. O compacto My Life tornou-se para o mercado fonográfico um dos mais vendidos no país, superando a marca de 1.000.000 de cópias, o que equivalia a um disco de Diamante.
Em 1978, fez o LP pela Capitol Um mundo Melhor Pro Meu Filho, e em 1979, o LP Michael Sullivan pela K-Tel.
De 1980 a 1986 foi integrante do grupo The Fevers.

Paulo Massadas (Rio de Janeiro), começou a despertar para a música a partir da década de 1960. Motivado por movimentos como a Beatlemania, Jovem Guarda, Tropicália e os grandes Festivais de Música Popular Brasileira, Massadas começou a sua primeira banda em 1967. Entretanto, o batismo profissional aconteceu quando, em 1972, o maestro Lincoln Olivetti o convidou para cantar e tocar contrabaixo em seu conjunto de baile, juntamente com Serginho Herval (Roupa Nova) na bateria.
Sua primeira canção a ser gravada foi “O Mago de Pornois”. Era uma canção infantil interpretada pela cantora Vanusa e foi exibida no Fantástico (Rede Globo) em 1973. Nos anos seguintes, Paulo Massadas viria a dedicar-se à conclusão do seu bacharelado em Publicidade e Propaganda pela Universidade Gama Filho (RJ).
Em 1978 daria início à sua parceria com o cantor e compositor Michael Sullivan. No entanto, somente no final de 1983 a dupla Sullivan e Massadas alcançaria o seu primeiro grande “hit“ com a gravação da canção “Me dê Motivo” por Tim Maia. Nesse mesmo ano, “Meu Ursinho Blau Blau”, uma outra música de Paulo Massadas (em parceria com Sérgio Diamante), também alcançava o topo das paradas.
Em 1984, já trabalhando como produtor e compositor exclusivo da gravadora Sony BMG, Paulo Massadas pôde realizar um antigo sonho: compôr músicas para crianças. A partir dessa ideia, foi criado o projeto “Clube da Criança”, com a participação de Patricia Marx e Luciano Nassyn (que mais tarde seriam a base do grupo Trem da Alegria). Foram também convidados a participar desse trabalho o Palhaço Carequinha e uma apresentadora de um programa infantil da Rede Manchete chamada Xuxa. Esse projeto viria a desencadear o maior “boom” do mercado infantil de todos os tempos.
A partir daí seguiu-se uma verdadeira avalanche de sucessos. Músicas criadas nos mais variados estilos, que caíram no gosto popular e passaram a ditar as novas regras do mercado fonográfico: “É de Chocolate” (Clube da Criança), “Uni-Duni-Tê (Trem da Alegria), “Nem Morta” (Alcione), “Leva” (Tim Maia), “Whisky a Go-Go” (Roupa Nova), “Amanhã Talvez” (Joanna), “Um Dia de Domingo” (Gal Costa e Tim Maia), “Deslizes” (Fagner), “Lua de Cristal” (Xuxa), “Amor Perfeito” (Roberto Carlos) e muitos outros êxitos interpretados pelos grandes nomes da Música Popular Brasileira.
Em 1986, Paulo Massadas produziu para a gravadora Sony BMG um projeto em português para o cantor e compositor Juan Manuel Serrat, um dos maiores fenômenos da música espanhola. Esse disco contou com a participação de Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gal Costa, Toquinho e Fagner.
Em outubro de 1987, juntamente com Michael Sullivan, na cidade de Los Angeles, Paulo Massadas compôs e gravou com Jermaine Jackson a swingada “I Need Somebody”, bem ao estilo Jackson 5, para o disco “Michael Sullivan & Paulo Massadas”. Outro grande convidado a participar desse trabalho foi Sérgio Mendes, um dos maiores ícones da música brasileira em todo o mundo. Esse projeto, lançado pela gravadora Sony BMG, também contou com a participação de Sandra de Sá, Alcione, Fafá de Belém, Roupa Nova, Joanna, Fagner, Rosana, José Augusto, Patricia Marx e Trem da Alegria na canção “Dê Uma Chance ao Coração”.
Em 1990, a gravadora Som Livre lançou o CD “Sullivan e Massadas ao Vivo”. Nesse trabalho Sullivan e Massadas cantavam músicas consagradas pela dupla, em duetos com Fagner, Fafá de Belém, Joanna, José Augusto e Alcione. Em 1994, a parceria entre a dupla se desfez.
A gravadora Sony Music Portugal, no ano de 1999, convidou Paulo Massadas para produzir um projeto infantil para a televisão portuguesa (TVI). Esse trabalho tornou-se um grande sucesso de vendas, chegando a disco de platina dupla. No ano seguinte, Massadas voltou a Lisboa para produzir o volume II. As vendas desse novo disco superaram as do disco anterior, gerando um segundo disco de platina dupla.
No ano 2000, Paulo Massadas recebeu um convite da Fonovisa (na época a maior gravadora latina do mundo) para trabalhar como produtor e foi viver nos Estados Unidos. Desde então começou a atuar no mercado latino. No momento, Massadas possui mais de 70 músicas gravadas em espanhol.
Como produtor de Xuxa, juntamente com Michael Sullivan, Massadas vendeu cerca de 20 milhões de discos no Brasil, Europa e América Latina.
Atualmente Massadas possui mais de 700 canções gravadas em todo o mundo. Artistas internacionais como Julio Iglesias, Dionne Warwick, Ricky Martin, Billy Paul, Gregory Abbott, Juan Manuel Serrat, Jermaine Jackson, Ana Gabriel, Lupita D’ Alessio, Chayenne, Richard Clayderman e outros experimentaram versões, produções e/ou composições de Paulo Massadas




CHICO BUARQUE








 
Francisco Buarque de Hollanda, conhecido como Chico Buarque (Rio de Janeiro, 19 de junho de 1944) é um músico, dramaturgo e escritor brasileiro. Casou-se e separou-se com a atriz Marieta Severo, com quem teve três filhas: Sílvia, que é atriz e casada com Chico Diaz, Helena, casada com o percussionista Carlinhos Brown e Luísa. É irmão das cantoras Miúcha, Ana de Hollanda e Cristina.

Filho do historiador Sérgio Buarque de Hollanda, iniciou sua carreira na década de 1960, destacando-se em 1966, quando venceu, com a canção A Banda, o Festival de Música Popular Brasileira. Em 1969, com a crescente repressão da Ditadura Militar no Brasil, se auto-exilou na Itália, tornando-se, ao retornar, um dos artistas mais ativos na crítica política e pela democratização do Brasil. Na carreira literária, foi ganhador do Prêmio Jabuti, pelo livro Budapeste, lançado em 2004.

Em 1946, passou a morar em São Paulo, onde o pai assumira a direção do Museu do Ipiranga. Sempre revelou interesses pela música - interesse que foi bastante reforçado pela convivência com intelectuais como Vinicius de Moraes e Paulo Vanzolini.

Em 1953, Sérgio Buarque de Holanda foi convidado para lecionar na Universidade de Roma, consequentemente, a família muda-se para a Itália. Chico torna-se trilingüe, na escola fala inglês, e nas ruas, italiano. Nessa época, suas primeiras "marchinhas de carnaval" são compostas, e, com as irmãs mais novas, Piiizinha, Cristina e Ana, encenadas.

De volta ao Brasil, produz suas primeiras crônicas no jornal Verbâmidas, do Colégio Santa Cruz, nome criado por ele. Sua primeira aparição na imprensa não foi cultural, mas policial, publicada, inclusive, no jornal Última Hora, de São Paulo. Com um amigo, furtou um carro para passear pela madrugada paulista, algo relativamente comum na época. Foi preso. "Pivetes furtaram um carro: presos" foi a manchete no dia seguinte com uma a foto de dois menores com tarjas pretas nos olhos. Chico não pôde mais sair sozinho à noite até que completasse 18 anos.

Início de Carreira

Chico Buarque chegou a ingressar no curso de Arquitetura na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU) em 1963. Cursou dois anos e parou em 1965, quando começou a se dedicar à carreira artística. Neste ano, lançou Sonho de Carnaval, inscrita no I Festival Nacional de Música Popular Brasileira, transmitida pela TV Excelsior, além de Pedro Pedreiro, música fundamental para experimentação do modo como viria a trabalhar os versos, com rigoroso trabalho estilístico morfológico e politização, mais significativa na década de 70. A primeira composição séria, Canção dos Olhos, é de 1961.

Conheceu Elis Regina, que havia vencido o Festival de Música Popular Brasileira (1965) com a canção Arrastão; mas a cantora acabou desistindo de gravá-lo devido à impaciência com a timidez do compositor. Chico Buarque se revelou ao público brasileiro quando ganhou o mesmo Festival, no ano seguinte (1966), transmitido pela TV Record, com A Banda, interpretada por Nara Leão (empatou em primeiro lugar com Disparada, de Geraldo Vandré). No entanto, Zuza Homem de Mello, no livro A Era dos Festivais - Uma Parábola, revelou que a banda venceu o festival. O musicólogo preservou por décadas as folhas de votação do festival. Nelas, constam que a música a banda ganhou a competição por 7 a 5. Chico, ao perceber que ganharia, foi até o presidente da comissão e disse não aceitar a derrota de Disparada. Caso isso acontecesse, iria na mesma hora entregar o prêmio ao concorrente.

No dia 10 de outubro de 1966, data da final, iniciou o processo que designaria Chico Buarque como unanimidade nacional, alcunha criada por Millôr Fernandes.

Canções como Ela e sua Janela, de 1966, começam a demonstrar a face lírica do compositor. Com a observação da sociedade, como nas diversas vezes em que citação do vocábulo janela está presente em suas primeiras canções: Juca, Januária, Carolina, A Banda e Madelena foi pro Mar. As influências de Noel Rosa podem ser notadas em A Rita, 1965, citado inclusive na letra, e Ismael Silva, como em marchas-ranchos.

Festivais de MPB nos anos de 1960

No festival de 1967 faria sucesso também com Roda Viva, interpretada por ele e pelo grupo MPB-4 -- amigos e intérpretes de muitas de suas canções. Em 1968 voltou a vencer outro Festival, o III Festival Internacional da Canção da TV Globo. Como compositor, em parceira com Tom Jobim, com a canção Sabiá. Mas desta vez a vitória foi contestada pelo público, que preferiu a canção que ficou em segundo lugar: Pra não dizer que não falei de flores, de Geraldo Vandré.

A participação no Festival, com A Banda, marcou a primeira aparição pública de grande repercussão apresentando um estilo amparado no movimento musical urbano carioca da Bossa nova, surgido em 1957. Ao longo da carreira, o samba e a MPB também seriam estilos amplamente explorados.

Trilha-sonora e adaptações de livros

Chico participou como ator e compôs várias canções de sucesso para o filme Quando o Carnaval chegar, musical de Cacá Diegues. Compôs a canção-tema do longa-metragem Vai trabalhar Vagabundo, de Hugo Carvana -- Carvana chegou a modificar o roteiro a fim de usá-la melhor. Faria o mesmo com os filmes seguintes desse diretor: Se segura malandro e Vai trabalhar vagabundo II. Adaptou canções de uma peça infantil para o filme Os Saltimbancos Trapalhões do grupo humorístico Os Trapalhões e com interpretações de Lucinha Lins. Outras adaptações de uma peça homônima de sua autoria foram feitas para o filme A Ópera do Malandro, mais um musical cinematográfico. Vários filmes que tiveram canções-temas de sua autoria e que fizeram muito sucesso além dos citados: Bye Bye Brasil, Dona Flor e seus dois maridos e Eu te amo, os dois últimos com Sônia Braga. Recentemente, chegou a ter uma participação especial como ator no filme Ed Mort. Ele escreveu um livro que virou filme, Benjamim, que foi ao ar nos cinemas em 2003, tendo como personagens principais Cleo Pires, Danton Melo e Paulo José.

Teatro e literatura

Musicou as peças Morte e vida severina e o infantil Os Saltimbancos. Escreveu também várias peças de teatro, entre elas Roda Viva (proibida), Gota d'Água, Calabar (proibida), Ópera do malandro e alguns livros: Estorvo, Benjamim e Budapeste.

Chico Buarque sempre se destacou como cronista nos tempos de colégio, seu primeiro livro foi publicado em 1966, trazia os manuscritos das primeiras composições e o conto Ulisses, e ainda uma crônica de Carlos Drummond de Andrade sobre A Banda. Em 1974, escreve a novela pecuária Fazenda modelo e, em 1979, Chapeuzinho Amarelo, um livro-poema para crianças. A bordo do Rui Barbosa foi escrito em 1963 ou 1964 e publicado em 1981. Em 1991, publica o romance Estorvo e, quatro anos depois, escreve o livro Benjamim. Em 2004, o romance Budapeste ganha o Prêmio Jabuti de melhor Livro de Ficção do ano. Oficialmente, a vendagem mínima de seus livros é de 500 mil exemplares no Brasil.

Programas de televisão

Deixou de participar de programas populares de televisão, tendo problemas com o apresentador Chacrinha, que teria feito uma piada com a letra da canção Pedro Pedreiro, ao ouvir o ensaio. Irritado, Chico foi embora e nunca se apresentou no programa. O executivo Boni proibiu qualquer referência a Chico durante a programação da TV Globo, depois que ambos também tiveram um entrevero, mas por pouco tempo, uma vez que ainda durante a década de 70 (e o começo da de 80) músicas suas constavam das trilhas de várias telenovelas, como Espelho Mágico e Sétimo Sentido. Ao fim da proibição vários anos depois, Chico aceitou fazer um programa com Caetano Veloso, que contou com a participação de outros artistas.

A crítica à Ditadura

Ameaçado pelo Regime Militar no Brasil, esteve exilado na Itália em 1969, onde chegou a fazer espetáculos com Toquinho. Nessa época teve suas canções Apesar de você (alusão negativa ao presidente Emílio Garrastazu Médici) e Cálice censuradas pela censura brasileira. Adotou o pseudônimo de Julinho da Adelaide, com o qual compôs apenas três canções: "Milagre Brasileiro", "Acorda amor" e "Jorge Maravilha". Na Itália Chico tornou-se amigo do cantor Lucio Dalla, de quem fez a belíssima Minha História, versão em português (1970) da canção Gesù Bambino (título verdadeiro 4 marzo 1943), de Lucio Dalla e Paola Palotino.

Ao voltar ao Brasil continuou com composições que denunciavam aspectos sociais, econômicos e culturais, como a célebre Construção ou a divertida Partido Alto. Apresentou-se com Caetano Veloso (que também foi exilado, mas na Inglaterra) e Maria Bethânia. Teve outra de suas músicas associada a críticas a um presidente do Brasil. Julinho da Adelaide, aliás, não era só um pseudônimo, mas sim a forma que o compositor encontrou para driblar a censura, então implacável ao perceber seu nome nos créditos de uma música. Para completar a farsa e dar-lhe ares de veracidade, Julinho da Adelaide chegou a ter cédula de identidade e até mesmo a conceder entrevista a um jornal da época.

Uma das canções de Chico Buarque que criticam a ditadura, é uma carta em forma de música, uma carta musicada que ele fez em homenagem ao Augusto Boal, que vivia no exílio, quando o Brasil ainda vivia sob a ditadura militar.

A canção se chama Meu Caro Amigo e foi dirigida a Boal, que na época estava exilado em Lisboa. A canção foi lançada originalmente num disco de título quase igual, chamado Meus Caros Amigos, do ano de 1976.

Nordeste já

Valendo-se ainda do filão engajado da pós-ditadura, cantou, ainda que com uma participação individual diminuta, no coro da versão brasileira de We Are the World, o hit americano que juntou vozes e levantou fundos para a África ou USA for Africa. O projeto Nordeste Já (1985), abraçou a causa da seca nordestina, unindo 155 vozes num compacto, de criação coletiva, com as canções Chega de mágoa e Seca d´água. Elogiado pela competência das interpretações individuais, foi no entanto criticado pela incapacidade de harmonizar as vozes e o enquadramento de cada uma delas no coro.


CONSTRUÇÃO



VAI PASSAR




Carioca: 2006
01. Subúrbio
02. Outros Sonhos
03. Ode aos Ratos
04. Dura na Queda
05. Porque Era Ela, Porque Era Eu
06. As Atrizes
07. Ela Faz Cinema
08. Bolero Blues
09. Renata Maria
10. Leve
11. Sempre
12. Imagina
Chico no Cinema: 2005
CD1:
01. Noite dos Mascarados - Elis Regina e Chico Buarque
02. Um Chorinho
03. Quando o Carnaval Chegar
04. Caçada
05. Boioque - Maria Bethânia
06. Soneto - Nara Leão
07. Mambembe
08. Joanna Francesa - Raimundo Fagner e Chico
09. Vai Trabalhar, Vagabundo
10. A Noiva da Cidade
11. Quadrilha - Francis Hime e Chico
12. Passaredo
13. O que Será (à Flor da Terra) - Milton N. e Chico
14. Feijoada Completa
15. Sob Medida - Fafá de Belém
16. Não Sonho Mais

CD2:
01. Bye, Bye, Brasil
02. Linha de Montagem
03. Eu Te Amo - Telma Costa e Chico
04. Piruetas - Os Trapalhões e Chico
05. Samba do Grande Amor
06. Tanta Saudade - Djavan
07. Mil Perdões
08. A Volta do Malandro
09. Sentimental - Zizi Possi
10. Rio 42 - Bebel Gilberto
11. Palavra de Mulher - Elba Ramalho
12. Hino da Repressão (2º Turno)
13. Trapaças
14. A Ostra e o Vento - Branca Lima e Chico
15. Dueto - Zizi Possi e Chico
16. Porque Era Ela, Porque era Eu
Francisco Buarque de Hollanda + 2 Dvds- BOX 12 CDs: 2004
CDs:
Francisco (1987)
Chico Buarque (1989)
Chico ao Vivo Paris Le Zenith (1990)
Paratodos (1993)
Uma Palavra (1995)
Álbum de Teatro (1997)
Chico Buarque de Mangueira (1997)
As Cidades (1998)
Chico ao Vivo (1999)
Cambaio (2001)
Duetos (2002)
Chico Buarque de Holanda e Ennio Morricone - Per Un Pugno Di Samba (2003)

DVDs:
Chico e as Cidades (2000)
Chico e o País da Delicadeza Perdida (2003)
Chico ou o País da Delicadeza Perdida: 2003
01. Estação Derradeira
02. Eu Quero Um Samba / Essa Moça Tá Diferente
03. Brejo Da Cruz
04. Joana Francesa
05. O Que Será (À Flor Da Pele)
06. Olhos Nos Olhos
07. Samba Do Grande Amor (Part. Especial: Gal Costa)
08. Baticum (Part. Especial: Gilberto Gil)
09. Morro Dois Irmãos
10. Rio 42 / Não Existe Pecado Ao Sul Do Equador
11. Mil Perdões
12. Sem Compromisso / Deixa a Menina
13. A Volta Do Malandro
Chico Buarque - Duetos: 2002
01. Façamos (Vamos Amar)
02. Desalento
03. Sem Você
04. Mar y Luna
05. Dueto
06. A Mulher do Aníbal
07. A Rosa
08. Até Pensei
09. Seu Chopin, Desculpe
10. Iolanda
11. Carcará
12. Piano da Mangueira
13. Dinheiro em Penca
14. Não Sonho Mais
Cambaio: 2001
01. Cambaio
02. Uma Canção Inédita
03. Lábia
04. A Moça do Sonho
05. Ode aos Ratos
06. Quase Memória (Instrumental)
07. Veneta
08. Noite de Verão
09. A Fábrica (Instrumental)
10. Cantiga de Acordar
Chico Ao Vivo: 1999
CD 1
01. Paratodos
02. Amor Barato
03. A Noiva da Cidade
04. A Volta do Malandro
05. Homenagem ao Malandro
06. A Ostra e o Vento
07. Sem Você
08. Cecília
09. Aquela Mulher
10. Sob Medida
11. O Meu Amor
12. Teresinha
13. Injuriado
14. Quem Te Viu, Quem Te Vê

CD 2
01. As Vitrines
02. Iracema Voou
03. Assentamento
04. Como Se Fosse a Primavera
05. Cotidiano
06. Bancarrota Blues
07. Xote da Navegação
08. Construção
09. Sonhos Sonhos São
10. Carioca
11. Capital do Samba
12. Chão de Estrelas
13. Futuros Amantes
14. Vai Passar
15. João e Maria
As Cidades: 1998
01. Carioca
02. Iracema Voou
03. Sonhos Sonhos São
04. A Ostra e o Vento
05. Xote de Navegação
06. Você, Você
07. Assentamento
08. Injuriado
09. Aquela Mulher
10. Cecília
11. Chão de Esmeraldas
Terra (Single): 1997
01. Assentamento
02. Brejo da Cruz
03. Levantados do Chão
04. Fantasia
Uma Palavra: 1995
01. Estação Derradeira
02. Morro Dois Irmãos
03. Ela é Dançarina
04. Samba e Amor
05. A Rosa
06. Joana Francesa
07. O Futebol
08. Ela Desatinou
09. Quem Te Viu, Quem Te Vê
10. Pelas Tabelas
11. Eu Te Amo
12. Valsa Brasileira
13. Amor Barato
14. Vida
15. Uma Palavra
Paratodos: 1993
01. Paratodos
02. Choro Bandido
03. Tempo e Artista
04. De Volta ao Samba
05. Sobre Todas as Coisas
06. Outra Noite
07. Biscate
08. Romance
09. Futuros Amantes
10. Piano na Mangueira
11. Pivete
12. A Foto da Capa
Chico Buarque ao Vivo Paris le Zenith: 1990
01. Apresentação
02. Desalento
03. A Rita
04. Samba do Grande Amor
05. Gota D’água
06. As Vitrines
07. A Volta do Malandro
08. Partido Alto
09. Sem Compromisso
10. Deixe a Menina
11. Suburbano Coração
12. Palavra de Mulher
13. Todo o Sentimento
14. Joana Francesa
15. Rio 42
16. Não Existe Pecado ao Sul do Equador
17. Brejo da Cruz
18. O Que Será (À Flor Da Pele)
19. Vai Passar
20. Samba de Orly
21. João e Maria
22. Eu Quero um Samba
23. Essa Moça Tá Diferente
Chico Buarque: 1989
01. Morro dois Irmãos
02. Trapaças
03. Na Ilha de Lia, no Barco de Rosa (Meio-Dia, Meia-Lua)
04. Baticum
05. A Permuta dos Santos
06. O Futebol
07. A Mais Bonita
08. Uma Palavra
09. Tanta Saudade
10. Valsa Brasileira
Dança da Meia-Lua: 1988
01. Abertura
02. Casa de João da Rosa
03. A Permuta dos Santos
04. Frevo Diabo
05. Meio Dia, Meia Lua
06. Abandono
07. Dança das Máquinas
08. Tablados
09. Tororó
10. Sol e Chuva
11. Valsa Brasileira
12. Pas de Deux
Francisco: 1987
01. O Velho Francisco
02. As Minhas Meninas
03. Uma Menina
04. Estação Derradeira
05. Bancarrota Blues
06. Ludo Real
07. Todo o Sentimento
08. Lola
09. Cadê Você-Leila XIV
10. Cantando no Toró
Melhores Momentos de Chico & Caetano: 1986
01. Festa Imodesta
02. Billy Jean
03. Roberto Corta Essa
04. Adíos Nonino
05. Tiro de Misericórdia
06. Não Quero Saber Mais Dela
07. London, London
08. Águas de Março
09. Sentimental
10. Luz Negra
11. Merda
O Corsário do Rei: 1985
01. Verdadeira Embolada
02. Show Bizz
03. A Mulher de Cada Porto
04. Opereta do Malandro
05. Bancarrota Blues
06. Tango de Nancy
07. Choro de Bandido
08. Salmo
09. Acalanto
10. O Corsário do Rei
11. Meia-Noite
Ópera Do Malandro: 1985
01. A Volta do Malandro
02. As Muchachas de Copacabana
03. Tema da Geni
04. Hino da Repressão
05. Aquela Mulher
06. Viver do Amor
07. Sentimental
08. Desafio do Malandro
09. O Último Blues
10. Palavra de Mulher
11. O Meu Amor
12. Tango do Covil
13. Uma Canção Desnaturada
14. Rio 42
15. Pedaço de Mim
Malandro: 1985
01. A Volta do Malandro
02. Las Muchachas de Copacabana
03. Hino da Repressão
04. O Último Blues
05. Tango do Covil
06. Sentimental
07. Aquela Mulher
08. Palavra de Mulher
09. Hino da Repressão
10. Rio 42
Chico Buarque: 1984
01. Pelas Tabelas
02. Brejo da Cruz
03. Tantas Palavras
04. Mano a Mano
05. Samba do Grande Amor
06. Como se Fosse a Primavera (Canción)
07. Suburbano Coração
08. Mil Perdões
09. As Cartas
10. Vai Passar
Para Viver um Grande Amor: 1983
01. Samba do Carioca
02. Sabe Você?
03. Sinhazinha (Despedida)
04. Desejo
05. A Violeira
06. Imagina
07. Tanta Saudade
08. A Primavera
09. Sinhazinha (Despertar)
10. Samba do Grande Amor
11. Meninos, Eu Vi
O Grande Circo Místico: 1983
01. Abertura do Circo
02. Beatriz
03. Valsa dos Clowns
04. Opereta do Casamento
05. A História de Lily Braun
06. Sobre Todas as Coisas
07. A Bela e a Fera
08. Ciranda da Bailarina
09. O Circo Místico
10. Na Carreira
11. Meu Namorado
Chico Buarque em Espanhol: 1982
01. Que Será (O Que Será à Flor da Terra)
02. Mar y Luna (Mar e Lua)
03. Geni y el Zepelin (Geni e o Zepelim)
04. Apesar de Usted (Apesar de Você)
05. Querido Amigo (Meu Caro Amigo)
06. Construcción (Construção)
07. Te Amo (Eu Te Amo)
08. Cotidiano (Cotidiano)
09. Acalanto (Acalanto Para Helena)
10. Mambembe (Mambembe)
Almanaque: 1981
01. As vitrines
02. Ela é Dançarina
03. O Meu Guri
04. A Voz do Dono e o Dono da Voz
05. Almanaque
06. Tanto Amar
07. Angélica
08. Moto-Contínuo
09. Amor Barato
Saltimbancos Trapalhões: 1981
01. Piruetas
02. Hollywood
03. Alô, Liberdade
04. A Cidade dos Artistas
05. História de uma Gata
06. Rebichada
07. Minha Canção
08. Meu Caro Barão
09. Todos Juntos
Vida: 1980
01. Vida
02. Mar e Lua
03. Deixe a Menina
04. Já Passou
05. Bastidores
06. Qualquer Canção
07. Fantasia
08. Eu Te Amo
09. De Todas as Maneiras
10. Morena de Angola
11. Bye, Bye, Brasil
12. Não Sonho Mais
Show 1º de Maio (Single): 1980
01. Linha de Montagem
02. Pedaço de Mim
03. A mim e a Mais Ninguém
04. Súplica
Ópera do Malandro: 1979
01. O Malandro
02. Hino de Duran
03. Viver de Amor
04. Uma Canção Desnaturada
05. Tango do Covil
06. Doze Anos
07. O Casamento dos Pequenos Burgueses
08. Teresinha
09. Homenagem ao Malandro
10. Folhetim
11. Ai, Se Eles Me Pegam Agora
12. O Meu Amor
13. Se Eu Fosse Teu Patrão
14. Geni e o Zepelin
15. Pedaço de Mim
16. Ópera do Malandro
17. O Malandro Nº 2 Vem Aí
Chico Buarque: 1978
01. Feijoada Completa
02. Cálice
03. Trocando em Miúdos
04. O Meu Amor
05. Homenagem ao Malandro
06. Até o Fim
07. Pedaço de Mim
08. Pivete
09. Pequeña Serenata Diurna
10. Tanto Mar
11. Apesar de Você
Os Saltimbancos: 1977
01. Bicharia
02. O Jumento
03. Um Dia de Cão
04. A Galinha
05. História de Uma Gata
06. A Cidade Ideal
07. Minha Canção
08. A Pousada do Bom Barão
09. A Batalha
10. Esconde Esconde
11. Todos Juntos
12. Bicharia
Gota D'água: 1977
01. Flor da Idade
02. Entrada de Joana
03. Monólogo do Povo
04. Bem Querer
05. Desabafo de Joana Para Jasão
06. Joana e as Vizinhas
07. Gota D’água
08. Joana Promete
09. Basta Um Dia
10. Ritual
11. Veneno
12. Morte
Cio da Terra (Single): 1977
01. Cio da Terra
02. Primeiro de Maio
Meus Caros Amigos: 1976
01. O Que Será (À Flor da Terra)
02. Mulheres de Atenas
03. Olhos Nos Olhos
04. Você Vai Me Seguir
05. Vai Trabalhar Vagabundo
06. Corrente
07. A Noiva da Cidade
08. Passaredo
09. Basta Um Dia
10. Meu Caro Amigo
Chico Buarque e Maria Bethânia ao Vivo: 1975
01. Olê, Olá
02. Sonho Impossível (The impossible Dream)
03. Sinal Fechado
04. Sem Fantasia
05. Sem Açucar
06. Com Açucar, Com Afeto
07. Camisola do Dia
08. Notícia de Jornal
09. Gota D’água
10. Tanto Mar (Instrumental)
11. Foi Assim
12. Flor da Idade
13. Bem Querer
14. Cobras e Lagartos
15. Gitã
16. Quem Te Viu, Quem Te Vê
17. Vai Levando
18. Noite dos Mascarados
Sinal Fechado: 1974
01. Festa Imodesta
02. Copo Vazio
03. Filosofia
04. O Filho Que Eu Quero Ter
05. Cuidado Com a Outra
06. Lágrima
07. Acorda Amor
08. Lígia
09. Sem Compromisso
10. Você Não Sabe Amar
11. Me Deixe Mudo
12. Sinal Fechado
Chico Canta: 1973
01. Prólogo: O elogio da Traição
02. Cala a Boca, Bárbara
03. Tatuagem
04. Ana de Amsterdã
05. Bárbara
06. Não Existe Pecado ao Sul do Equador
07. Boi Voador Não Pode
08. Fado Tropical
09. Tira as Mãos de Mim
10. Cobra de Vidro
11. Vence Na Vida Quem Diz Sim
12. Fortaleza
Quando o Carnaval Chegar: 1972
01. Mambembe
02. Baioque
03. Caçada
04. Mais Uma Estrela
05. Quando o Carnaval Chegar
06. Minha Embaixada Chegou
07. Soneto
08. Mambembe
09. Soneto
10. Partido Alto
11. Bom Conselho
12. Frevo
13. Formosa
14. Cantores de Rádio
Caetano e Chico (Juntos e ao Vivo): 1972
01. Bom Conselho
02. Partido Alto
03. Tropicália
04. Morena dos Olhos D’água
05. A Rita/ Esse Cara
06. Atrás da Porta
07. Você Não Entende de Nada / Cotidiano
08. Bárbara
09. Ana de Amsterdã
10. Janelas Abertas N° 2
11. Os Argonautas
Construção: 1971
01. Deus Lhe Pague
02. Cotidiano
03. Desalento
04. Construção
05. Cordão
06. Olha Maria
07. Samba de Orly
08. Valsinha
09. Minha História (Gesúbambino)
10. Acalanto
Per Un Pugno di Samba: 1970
01. Rotativa
02. Samba e Amore
03. Sogno di Un Carnevale
04. Lei No, Lei Sta Ballando
05. Il Nome de Maria
06. Funerali di Un Contadino
07. In Te
08. Queste e Quelle
09. Tu Sei Una di Noi
10. Nicanor
11. In Memoria de Un Congiurate
12. Ed Ora Disco Sul Serio
Chico Buarque de Holanda - Volume 4: 1970
01. Essa Moça Tá Diferente
02. Não Fala de Maria
03. Ilmo. Sr. Ciro Monteiro ou Receita Para Virar Casaca de Neném
04. Agora Falando Sério
05. Gente Humilde
06. Nicanor
07. Rosa-dos-Ventos
08. Samba e Amor
09. Pois É
10. Cara a Cara
11. Mulher, Vou Dizer Quanto Te Amo
Apesar de Você (Single): 1970
01. Apesar de Você
02. Desalento
Umas e Outras (Single): 1969
01. Onde é Que Você Estava
02. Umas e Outras
03. Benvinda
04. Até Pensei
Chico Buarque de Holanda (Single): 1969
01. Ciao Ciao Addio
02. Cara a Cara
Chico Buarque na Itália: 1969
01. Far Niente (Bom Tempo)
02. La Banda (A Banda)
03. Juca
04. Olê, Olá
05. Rita
06. Non Voui Ascoltar (Você Não Ouviu)
07. Una Mia Canzone (Meu Refrão)
08. C’e Piu Samba
09. Maddalena É Andata Via (Madalena Foi Pro Mar)
10. Carolina
11. Pedro Pedreiro
12. La TV (A Televisão)
Chico Buarque de Holanda - Volume 3: 1968
01. Ela Desatinou
02. Retrato em Branco e Preto
03. Januária
04. Desencontro
05. Carolina
06. Roda Viva
07. O Velho
08. Até Pensei
09. Sem Fantasia
10. Até Segunda-Feira
11. Funeral de Um Lavrador
Chico Buarque de Holanda (Single): 1968
01. Bom Tempo
02. Ela Desatinou
Chico Buarque de Holanda - Volume 2: 1967
01. Noite dos Mascarados
02. Logo Eu?
03. Com Açúcar, Com Afeto
04. Fica
05. Lua Cheia
06. Quem Te Viu, Quem Te Vê
07. Realejo
08. Ano Novo
09. A Televisão
10. Será Que Cristina Volta?
11. Morena dos Olhos D’água
12. Um Chorinho
Chico Buarque de Holanda: 1966
01. A Banda
02. Tem Mais Samba
03. A Rita
04. Ela e Sua Janela
05. Madalena Foi Pro Mar
06. Pedro Pedreiro
07. Amanhã, Ninguém Sabe
08. Você Não Ouviu
09. Juca
10. Olê, Olá
11. Meu Refrão
12. Sonho de Um Carnaval